Centro DTIBR - Direito, Tecnologia e Inovação

Avenida João Pinheiro, 146, 10º andar, Lourdes

Belo Horizonte/MG, Brasil

CEP 30.130-927

CNPJ 32.727.924/0001-80

Clique aqui para nossa localização

Tel:  +55 31 3010-1804

Email: centrodtibr@gmail.com

A FICÇÃO CIENTÍFICA PROMETEU ROBÔS EM NOSSAS CASAS. ENTÃO, ONDE ELES ESTÃO?



Texto retirado do portal Wired, aponta como as expectativas dos consumidores geradas pela ficção científica e pelo marketing das empresas afetam o mercado de robôs domésticos.

A ficção científica nos prometeu muito que, grosseiramente, a tecnologia não nos entregou - jetpacks, carros voadores, teletransporte e até mesmo úteis robôs domésticos como Rosie, uma personagem do The Jetson, que além de fazer companhia, vigiava a casa.

Parecia que 2018 seria o ano em que os robôs dariam um grande salto nessa direção. Duas máquinas em particular vieram à tona: Kuri, um adorável analógico R2D2 que pode acompanhá-lo e tirar fotos de seus jantares, e Jibo, um robô desktop com uma tela simulando um rosto que funciona como a Alexa (assistente virtual da Amazon), só que com a habilidade de dançar.

Mas então, tão rapidamente quanto os robôs domésticos vieram, eles desapareceram. Em julho, a fabricante de Kuri, Mayfield Robotics, informou que cessaria a produção do robô e, um mês depois, anunciou que deixaria de existir como companhia. Em novembro, Jibo também fechou. No segundo trimestre , outra empresa que estava explorando robôs domésticos, a TickTock, desistiu da empreitada.

Então, o que aconteceu com o Ano do Robô Doméstico?

Por um lado, foram vítimas da utilidade - ou da falta dela. Kuri e Jibo não faziam muitas coisas. Kuri era fofa, claro, mas na verdade apenas rolava e se envolvia em algumas interações simples. Jibo poderia dizer o horário e definir alarmes, mas era fixa em uma mesa, tornando-se um assistente pessoal de US$ 900, incapaz de competir com assistentes dos smartphones.

A verdadeira promessa do robô doméstico - o que o separará de um mero assistente de IA - é destreza e movimento. Mas "esse movimento tem que ser feito para prover a algo que as pessoas querem", diz Daniela Rus, diretora do Laboratório de Ciência da Computação e Inteligência Artificial do MIT. “Apenas ter um robô na sua área de trabalho se movendo de maneira divertida não é o que queremos”.

Descobrir o que as pessoas realmente querem nos leva ao segundo problema dos robôs sociais domésticos: as expectativas. Posso garantir que o que você espera de um robô não é realista, e isso não é culpa sua. A ficção científica distorce nossas ideias sobre o quanto as máquinas podem realmente fazer. “As pessoas estão imaginando Rosie dos Jetsons, enquanto estamos realmente em um ponto primitivo em que os únicos robôs realmente úteis e que não desapontam nossas expectativas são dispositivos como o Roomba, que faz apenas uma coisa e faz muito bem”, diz MIT. a robótica Kate Darling.

Não são apenas escritores e produtores que alimentam nossas expectativas. As próprias empresas de robôs perpetuam uma falsa realidade.Muitos dos vídeos que eles publicam de seus produtos”, acrescenta Darling, "em vez de ser um material honesto apresentando como este robô se parece e as 50 vezes que ele caiu, mostram apenas a que deu certo".

Este é um ponto de discórdia na comunidade de robótica. É difícil culpar um fabricante que está tentando vender um robô doméstico para produzir vídeos chamativos e talvez excessivamente otimistas, mostrando a máquina em ação. Mas mesmo que uma empresa não esteja tentando vender um robô, ela corre o risco de influenciar a compreensão do público sobre o que os robôs são capazes no momento.

O exemplo clássico é o Boston Dynamics, que por anos impressionou o público com vídeos de seu robô humanoide Atlas fazendo backflips e parkour. Mas, como o chefe da Boston Dynamics, Marc Raibert, revelou na conferência WIRED25 em outubro de 2018, foram necessárias mais de 20 tentativas para executar cada movimento, "em nossos vídeos, geralmente mostramos o melhor comportamento", disse Raibert. “Não é o comportamento médio ou o comportamento típico, pensamos nisso como um alvo do que os robôs possam fazer”.

Kuri nunca fingiu ser capaz de fazer backflips como o Atlas, mas o perigo é que as pessoas agora estão esperando muito de robôs em geral. O desafio para as empresas de robótica, então, é ou dizer explicitamente do que seus robôs são capazes ou mais sutilmente “telegrafar habilidades” com sugestões de design. A Mayfield Robotics, por exemplo, fez Kuri falar em bipes em vez de linguagem humana para sugerir ao usuário que eles não estão lidando com uma inteligência avançada que desenvolve toda uma conversa.

Nenhum robô, muito menos Kuri e Jibo, que não têm braços, podem ser seus amigos e pegar uma cerveja na geladeira. A manipulação de objetos continua sendo um grande problema na robótica. Não só os robôs não possuem nem de perto da destreza da mão humana, como também precisam ser 100% precisos. Se esperarmos que lavem a louça, mesmo com uma taxa de erro de apenas 1%, significa que 1 copo caiu de 100, o que é inaceitável.

Isso não quer dizer que os robôs domésticos não conseguirão um dia. "Acho que esses dispositivos são apenas anteriores a seu tempo", diz Darling. “Eu acho que isso vai acontecer - alguém só precisa desenvolver uma ‘aplicação matadora’ para esses dispositivos”.

Essa pessoa provavelmente não será uma startup pequena como Jibo ou Mayfield, mas uma grande empresa de tecnologia como a Amazon, a Apple ou o Google. Eles já têm assistentes pessoais inteligentes em nossos bolsos ou em nossas mesas. Seus amplos negócios renderam enormes quantidades de dados e a IA precisava aplicar esse conhecimento a um robô (pense em usar o Alexa para comprar mais fraldas da Amazon). Tudo isso representa uma vantagem formidável sobre as empresas menores.

De fato, há rumores de que a Amazon está desenvolvendo um robô doméstico. Teoricamente, não seria um dispositivo sem olhos sentado em uma bancada, mas um robô que pode ver e ouvir. Não será capaz de pegar uma cerveja, mas será o primeiro passo para esse tipo de robô avançado.

"Colocar uma câmera móvel e uma tela sobre rodas em casa dá a você toda segurança doméstica, com informações na ponta dos dedos e um alto-falante seguindo você", diz Ryan Hickman, co-fundador da recém-extinta empresa de robótica doméstica TickTock. “A empresa que lançar isso se tornará especialista em mapeamento e navegação, então poderão desenvolver robôs que realmente manipulam o mundo”.

A geração do robô doméstico que se segue poderá levar os brinquedos de volta para o quarto de uma criança, por exemplo. "Então, mesmo que você não esteja colocando os brinquedos nas caixas, o chão estará limpo para a vovó não tropeçar nas coisas", diz Hickman. Em seguida, talvez uma nova frota de robôs seja capaz de devolver os sapatos a uma sapateira. “E uma geração depois disso, vamos começar a limpar a mesa e lavar a louça, mas isso em uma perspectiva de 10 anos para cada geração. Podemos andar antes de corrermos, dando esses passos menores”.

Ninguém nunca disse que realizar o sonho dos Jetsons seria fácil, afinal de contas.

Texto original pode ser acessado em: https://www.wired.com/story/sci-fi-promised-us-home-robots-so-where-are-they/

#InteligênciaArtificial #Inovação