DTIBR News #15




Hoje continuamos com as notícias onde vemos guerra, processos, ciberataques e golpistas. Ou seja, mais uma semana típica do século XXI.


Se quiser acompanhar nossa newsletter ou nosso trabalho, só se cadastrar no nosso site https://www.dtibr.com/ ou nas nossas páginas no linkedin, twitter e youtube procurando por @centrodtibr


 

## Criptogolpistas geram problemas para o Facebook.. de novo: A Comissão Australiana de Concorrência e Consumidores (ACCC) iniciou uma ação legal contra a Meta/Facebook. A alegação dada é que a plataforma permite anúncios fraudulentos com falsos endossos de celebridades. Se destacam neste aspecto anúncios relacionados a criptomoedas falsas. A ACCC argumenta ainda que os anúncios em questão utilizaram os algoritmos do Facebook para segmentar usuários mais suscetíveis apresentando citações falsas de celebridades. A Meta pode enfrentar uma série de penalidades financeiras e não financeiras. A empresa diz estar comprometida em manter golpistas fora da plataforma.

 

## Deepfakes para a guerra: A Meta/Facebook e o Youtube retiraram do ar um vídeo deepfake do presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky. No vídeo, o presidente ucraniano dizia que era necessário que os ucranianos baixassem as armas. O vídeo foi rapidamente atacado pelas plataformas, sendo considerado pouco convincente dado ter problemas na sua apresentação. O próprio presidente Zelensky desmentiu o vídeo em suas redes sociais. É mais um capítulo da militarização dessa tecnologia para fins políticos.

 

## Meu nome é Prime, Amazon Prime: A Amazon comprou o estúdio MGM por US$ 8,45 bilhões. Uma das maiores compras da Amazon até hoje, o estúdio tem diversas marcas famosas como 007 e Rocky que agora se juntam ao colosso que é o Amazon Prime. A compra não foi questionada pelas autoridades concorrências americanas.

 

## Quem guarda os guardiões? As autoridades de cibersegurança da Alemanha fizeram diversos alertas contra o antivírus russo Kaspersky. Não foram alegados problemas com os produtos da empresa propriamente, mas que esta poderia ser forçada pelo governo russo a lançar ciberataques ou pelo menos ser espionada. No comunicado, foi recomendado pelas autoridades alemãs que produtos antivírus da Kaspersky sejam substituídos. O governo dos Estados Unidos já proíbe o software desde 2017. As autoridades de cibersegurança britânicas já tinham alertado contra o uso do Software da Kaspersky em atividades do governo britânico.

 

## Rússia sob ciberataque: Segundo a Agência Russa de notícias TASS, o número de ciberataques na Rússia aumentou consideravelmente. Tanto agências governamentais, como o Kremlin e grandes bancos têm sido os principais alvos de ataques dentro do país. Diversos incidentes como falta de acesso e interrupções de serviço tem sido constantes. O governo russo tem buscado criar medidas para dar apoio ao setor de tecnologia, mas dado os problemas nas cadeias de suprimento e embargos internacionais tornam esse processo difícil. Mesmo que empresas chinesas passem a dar suporte, pode levar anos para adequação de sistemas.